domingo, 13 de junho de 2010

MÁRIO PRATA APRESENTA "OS VIÚVOS" NA 10ª FEIRA NACIONAL DO LIVRO DE RIBEIRÃO PRETO

Mário Prata, o famoso Pratinha, apresentando sua mais recente obra - OS VIÚVOS, na 10ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. O autor, mineiro de Uberaba e criado em Lins, possui várias obras publicadas e atua em diferentes áreas, como jornalismo, dramaturgia, literatura (crônicas e romances) e como roteirista. Posso afirmar tratar-se de um ser humano dócil e atencioso para com seus leitores e admiradores, mesmo pelo breve contato que mantive com ele.

10ª FEIRA NACIONAL DO LIVRO - RIBEIRÃO PRETO

Mário Prata no Pinguim.
Pra quem não conhece, esta é a chopeira do famoso Pinguim.
Cristina Pereira, que comemora 40 anos de carreira, na plateia do bate papo com Mário Prata. Nossos cumprimentos à talentosa atriz.

Vera Fajardo, também atriz de teatro, acompanhava Cristina.


Paulo Betti e Cristina, em cena, na peça A Tartaruga de Darwin.
Obs: a foto extraída do blog Acabou o Caviar? não possui indicação de autoria para os devidos créditos.



Paulo Betti e Vera Fajardo, em cena, na peça A Tartaruga de Darwin.




CASADA COM UM CHESTER ?!!

CASADA COM UM CHESTER ??!!

O processo de criação é um acontecimento ímpar, porém, os autores que tenho ouvido descrevem-no de modo análogo. Não adianta forçar a barra; ele bate incontinenti, sem mais nem menos.

Ontem, numa sessão do Salão de Ideias (uma divisão da Feira do Livro de Ribeirão Preto), o autor Mário Prata contava que carregava consigo um caderninho, onde anotava os temas que batiam em sua cabeça, nos lugares mais inusitados. Quando esquecia o caderninho, ligava para casa e deixava recado na secretária eletrônica. Doideiras de um escritor, e percebo que isso tem acontecido também comigo! Já tenho arquivados no computador cerca de quinze “sugestões de títulos” para futuros textos. Sei lá quando sairão para o papel!

Por conta disso, pouco dormi esta noite. O esboço de um texto ficou martelando minha cuca e agora vou debulhá-lo aqui.

Sentado na quarta fila do auditório onde seria a palestra com o Pratinha, percebi à minha frente algumas poltronas com uma folha de papel que dizia “Reservado”. E assim ficaram vazias até depois de iniciado o evento.

Duas senhoras apareceram e como quem não quisesse aparecer, cabisbaixas, tomaram assento nos lugares reservados. A da frente eu meio que reconheci, porém, tive dúvidas de que fosse a pessoa que imaginava. A segunda era para mim totalmente desconhecida.

Com o correr do tempo, foi dado à plateia o direito de diálogo. A moça que eu julgava conhecer pediu a palavra e apresentou-se, antes de formular sua pergunta. Era quem eu imaginava – Cristina Pereira – atriz de várias novelas da Plim-Plim. Questionou Mário Prata a respeito de seu distanciamento do teatro e ouvimos dele sua justificativa para tal.

Minha curiosidade aguçada não foi mitigada pelo reconhecimento da pessoa que a acompanhava, embora a encarasse e tentasse vislumbrar algo que a identificasse.

No correr do tempo, acabamos por trocar algumas palavras, tecendo considerações sobre os temas abordados. Só sei que saí dali com os emails de ambas. Seu nome me era totalmente desconhecido, e intrigado corri para o Google.

Ah, lá estava ela! É famosa também, mas não tão conhecida quanto a Cristina, por conta de não aparecer na telinha. Sua área abrange mais o público ligado ao teatro, e teatro no Brasil, já viu, né?! Público reduzido, consequentemente, pouco conhecimento dos atores e atrizes que atuam exclusivamente nele.

Várias reportagens sobre ela em revistas famosas – Caras, Quem, Isto é-Gente-, Wikipédia, e sites como O Fuxico, Ego Notícias, etc.

Mineira, de Belzonte, ela mesma quem diz numa entrevista à revista Quem: “ Graças a Deus sou completamente anônima. Até sabem que sou atriz, mas não que sou esposa dele” e em outro trecho - ...” Ciúme?... Essa palavra não existe no meu dicionário. Sou muito tranqüila. O ciumento da relação é ele!... Nosso namoro começou na coxia de um teatro em BH. Ele namorava uma colega de cena...Primeiro rolaram alguns beijos na coxia, escondidos da namorada, que estava em cena o tempo todo... Não só fiquei com o papel dela, como também com o namorado”, relembra ela, aos risos.

Por fim, ela desmistifica o meu ídolo, aquele que eu considerava o garanhão-mor dos brasileiros, um galinhão, um verdadeiro CHESTER!

Pô, pensa bem, o cara faturou nada mais, nada menos que – Lucélia Santos, Débora Evelyn, Malu Mader, Silvia Pfeifer, Regina Duarte, Débora Secco, Helena Ranaldi, Mel Lisboa (Que delícia, em Presença de Anita!!), Christiane Torloni, Camila Pitanga, Juliana Paes, Danielle Winits, e mais recentemente, Tais Araujo e Giovanna Antonelli!! Querem mais? Pesquisem no Google.

Pois bem, sabem o que ela diz do maridão de 34 anos de casamento?

-“ Ele não é nada do que dizem... É caseiro, seu hobby é a jardinagem... Não é romântico à moda antiga, daqueles que mandam flores...”

Pô, pera aí... Ela arrasou com meu ídolo José Mayer... Detonou!!! Como dizem os mineiros... “Uai, sô... Tô dicipicionado!!”

Estou falando, e apresento-lhes a verdadeira Helena... Vera Fajardo.

Soriévilo 13/06/10

( Vera é sócia de Paulo Betti, Cristina Pereira e o marido Rafael Ponzi, na Casa da Gávea – espaço cultural onde ministra curso para atores iniciantes, no Rio de Janeiro).

sábado, 5 de junho de 2010