quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

CARTAS DE AMOR




Cartas de amor...


Quantas escrevi e quantas destruí !!


Ao relê-las, logo as atirava ao lixo...


Achava-as piegas, me via prolixo!


Nelas desnudava minha alma.


Despia-me de pudores, valores,


Contava minhas dores, meus amores,


Expunha meus temores.


Fazia juras, sonhava delícias futuras!


Quanta poesia, hoje eu entendo,


Descartada, desprezada, mutilada!


Hoje eu entendo!


Tivera eu lido Fernando Pessoa,


“...Todas as cartas de amor são ridículas...


Não seriam cartas de amor,


Se não fossem ridículas!”


E eu as teria guardado,


Sem ao menos tê-las enviado.


Só para ter o prazer de relê-las hoje.


Homem feito, maduro, seguro.


Marília, meu primeiro grande amor,


Tão linda, meiga, carinhosa,


Quanto fiquei lhe devendo


Depois de nossa forçada separação!


O destino, os estudos nos separaram.


E eu chorava minha saudade,


Solitário num quarto de pensão!


Na madrugada, lua cheia na janela,


Debruçada sobre o papel virgem,


Inspirava lindas cartas de amor,


Imaginando-a a esperar por mim.


... Lindas cartas de amor, que a luz do dia,


Invejoso, cruel, impiedoso, tornava ridículas!


... E eu as destruía...


Eram pedaços de mim!!








Soriévilo 24/03/08


Este texto foi lido até hoje,18/03/2010, por 547 pessoas no My4shared, 572 no Recanto das Letras e 3409 no Webartigos. Isso prova que o amor está sempre em alta e nunca sai de moda.







Nenhum comentário:

Postar um comentário